USO DO SIMULADOR SISIFO PARA LEVANTAMENTO DO POTENCIAL DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA NOS EDIFÍCIOS DO CAMPUS SÃO PAULO DA USP

  • Mario Luiz Ferrari Pin IEE-USP
  • Roberto Zilles IEE-USP
Palavras-chave: Geração Distribuída, Simulação, Sistemas Fotovoltaicos

Resumo

Este trabalho teve como objetivo utilizar o simulador SISIFO para determinar o potencial de geração fotovoltaica com sistemas de microgeração sobre os edifícios dentro do campus São Paulo da USP. O SISIFO é um simulador de sistemas fotovoltaicos de código aberto desenvolvido pelo Instituto de Energia Solar da Universidade Politécnica de Madrid (IES-UPM) em 2014. A partir da edição da Resolução Normativa n°482 em 2012 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), torna-se possível no Brasil a instalação de sistemas de geração de energia a partir de fontes renováveis, de forma distribuída, onde o consumidor conectado à rede de distribuição injeta energia na rede elétrica e com isso gera créditos que são usados nos meses subsequentes. A Resolução Normativa n° 687 da ANEEL e o Convênio 16 do CONFAZ, ambos de 2015, estabeleceram novas regras que tornaram a geração distribuída mais atrativa economicamente, resultando no crescimento do número de instalações de forma acelerada a partir deste ano. A usina fotovoltaica do Instituto de Energia e Ambiente é formada por quatro instalações distintas e tem uma potência instalada de 540 kWp. Os dados de produção e de desempenho do primeiro ano de operação das instalações que se encontram sobre a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin e do Instituto de Estudos Brasileiros foram utilizados para que os parâmetros mais adequados fossem inseridos no SISIFO. Com esses parâmetros, juntamente com dados solarimétricos do projeto SWERA e meteorológicos do INMET utilizou-se o SISIFO para simular a capacidade de produção de energia elétrica a partir de sistemas fotovoltaicos de microgeração sobre os edifícios identificados no campus a partir de imagens de satélite. A capacidade anual de produção de energia elétrica calculada para esses sistemas é de 2.600 MWh o que corresponde a 3,1% do consumo anual de eletricidade do campus.
Edição
Seção
Conversão Fotovoltaica - Aspectos técnicos de sistemas fotovoltaicos instalados