ANÁLISE DE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA RESIDENCIAL COM AUTOCONSUMO REMOTO

  • Lucas Meirelles Pires Deotti UFJF
  • Flavio Vanderson Gomes UFJF
Palavras-chave: Sistemas Fotovoltaicos Conectados À Rede Elétrica, Microgeração Distribuída, Autoconsumo Remoto

Resumo

Desde a promulgação da Resolução Normativa nº 482 de 2012, da Agência Nacional de Energia Elétrica, a sociedade brasileira vive a expectativa de ver a expansão dos sistemas microgeração solar fotovoltaica, sobretudo, no âmbito residencial. Entretanto, somente após as diversas medidas tomadas em 2015, em prol desta, é que de fato se começou a verificar o seu real desenvolvimento. Neste contexto, as figuras trazidas pela Resolução Normativa nº 687 de 2015, apresentaram uma nova rota para o consumidor de baixa tensão se beneficiar das oportunidades oferecidas pela geração distribuída, de modo que no último ano, foi verificado um descolamento considerável entre o número de unidades de microgeração e o número de consumidores cadastrados no sistema de compensação. Assim, uma vez sinalizado pela Empresa de Pesquisa Energética que nos próximos anos os consumidores residenciais com consumo superior a 500 kWh/mês, devem ser a maior parcela a adquirir sistemas desse tipo, o presente trabalho se propõe a investigar qual seria a real atratividade que estes poderiam experimentar caso almejassem não somente compensar o seu consumo residencial, mas também, o consumo de uma outra unidade sob sua mesma titularidade, isto é, a figura do “autoconsumo remoto”. Para tanto, é realizado o projeto otimizado de um sistema com potência nominal de 5.400 Wp, para uma residência localizada em Juiz de Fora, Minas Gerais. Com uma expectativa de produção próxima de 7.600 kWh/ano, este sistema é capaz de compensar integralmente o consumo anual da residência e, ainda, quase 55% do consumo anual de uma unidade comercial associada ao seu proprietário. Embora os seus indicadores de investimento revelem resultados positivos, a se destacar o período de retorno inferior a 8 anos, constatou-se que estes só não são mais atrativos, pois, existem imperfeições no sistema de compensação que penalizam de sobremaneira os consumidores adeptos do autoconsumo remoto.
Edição
Seção
Mercado, Economia, Política, aspectos sociais - Impactos Sociais, Econômicos e Ambientais de Energias Renováveis