ESTUDO DOS EFEITOS DA MODALIDADE TARIFÁRIA BRANCA APLICADA A CONSUMIDORES RESIDENCIAIS TIPO B NA REGIÃO SUDESTE E A RESIDÊNCIAS COM SISTEMAS FOTOVOLTAICOS CONECTADOS À REDE

  • Allan Calixto Severo da Silva UFABC
  • Erick Silva Alves UFABC
  • João Gabriel Pacheco UFABC
  • Ricardo Rodrigues Gitti UFABC
  • Ricardo da Silva Benedito UFABC
Palavras-chave: Energia Solar Fotovoltaica, Tarifa Branca, Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede.

Resumo

O trabalho avalia os efeitos na tarifa de energia elétrica de consumidores residenciais que aderirem à Tarifa Branca. São estudadas residências da região Sudeste com ou sem geração FV (fotovoltaica). Para a análise, foi desenvolvida uma metodologia visando ajudar na tomada de decisão, pesquisando duas alternativas para a redução na tarifa de energia elétrica: a adesão à Tarifa Branca e o uso de sistema fotovoltaico conectado à rede (SFCR). É mostrado que apenas a adesão à Tarifa Branca gera 3,7% de redução de gastos, sendo necessária uma mudança nos seus hábitos de consumo, reduzindo o uso de energia nos horários de pico. Já às residências com SFCR, aplicando a mesma metodologia, não houve redução na tarifa de energia elétrica, porém um menor acúmulo de crédito entre 86 e 100%. Foi mostrado que a tarifa convencional ainda é mais vantajosa ao microgerador de fonte solar, devido à diferença de pico de incidência solar e do posto tarifário vigente.
Edição
Seção
Mercado, Economia, Política, aspectos sociais - Impactos Sociais, Econômicos e Ambientais de Energias Renováveis