MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJEÇÕES PARA A RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A PARTIR DOS MODELOS CMIP5 E BESM

  • Elison Eduardo Jardim Bierhals Uergs
  • Claudineia Brazil FDB
  • Francisco Borges Pereira UERGS
  • Elton Gimenez Rossini UERGS
  • Rafael Haag UERGS
Palavras-chave: Energia Solar, Mudanças Climáticas, Radiação Solar.

Resumo

O objetivo deste artigo é verificar a variabilidade climática correspondente às variações nos padrões de radiação solar, diante dos cenários de alterações climáticas. A base de dados utilizados nessa pesquisa, faz parte do Projeto de Intercomparação de Modelos Acoplados, Fase 5 (CMIP5), que contribuiu para a confecção do quinto relatório do IPCC-AR5. Os dados foram extraídos do modelo BESM (Brazilian Earth System Model) que é o primeiro sistema nacional de simulação do clima global, sendo utilizado o cenário RCP 8.5 que representa um cenário com um crescimento continuo da população, resultando em altas emissões de dióxido de carbono, com um acréscimo de até 4° C. Em termos de emissões de gases do efeito de estufa, este cenário é considerado o mais pessimista para o século XXI, sendo consistente com nenhuma mudança política para reduzir as emissões e forte dependência de combustíveis fósseis. Para viabilizar a utilização da radiação solar como fonte de energia, em um determinado local e/ou região, é importante, primeiramente, determinar sua disponibilidade. As projeções climáticas, com base no cenário pessimista, em um período de 75 anos (2026-2100) apontaram em todo Rio Grande do Sul um aumento de radiação solar, chegando próximo a 30% nos meses de outubro do referido período analisado. Esse dado demonstra a necessidade de que se incorpore esses possíveis efeitos das variações climáticas no planejamento e operação do setor energético.
Edição
Seção
Radiação Solar - Recursos Solares e Meteorologia da Radiação Solar